NEWSLETTER

FACEBOOK

Lena Bezerra, mulher orgulhosamente cabelos brancos

A passagem do tempo é mais cruel para as mulheres do que para os homens. A mulher a partir de uma determinada idade é apelidada de velha – e os cabelos brancos são um dos primeiros sinais que se querem ocultar, porque denunciam um processo de envelhecimento.

Os homens mais envelhecidos, com rugas, cabelos e barbas grisalhas tornam-se charmosos e respeitáveis. Aqui a beleza não esmorece, pelo contrário, adquire um novo estatuto e fulgor.

A brasileira Lena Bezerra é uma mulher de 55 anos que contraria todos os mitos e preconceitos sobre a vida e a beleza feminina num tempo assumidamente maduro.

Após a reforma enveredou por novos desafios e tornou-se doula. Apoia e aconselha outras mulheres durante o processo de gestação e parto. A celebração da vida é uma constante no seu dia a dia.

Decidiu assumir os seus cabelos brancos com 48 anos. Encontrou resistências, mas estes tornaram-se numa marca da sua identidade que espelha coragem e autenticidade.

Lena é apaixonada pela vida, cuida-se e ama-se todos os dias, é mulher orgulhosamente cabelos brancos. Sem prazos de validade.

Como é que te defines?

Sou uma mulher forte, determinada, cheia de energia e disposição para a vida! Gosto de estar em contato com a natureza, principalmente com o sol e o mar! Amo flores e gatos. Tenho 55 anos, sou mãe de 3 filhos e adoro viajar! Fui professora de inglês por 31 anos e professora de Yoga por 10 anos. Aposentei e redirecionei a minha vida profissional aos 48 anos. Sou feminista, defensora dos direitos humanos e ativista do parto normal e pelo nascimento respeitoso!

Tens uma profissão muito especial e que te confronta com a vida em cada nascimento. Como vives isso?

Vivo o meu trabalho com muita alegria e entusiasmo! Ser doula  trouxe um novo sentido para a minha existência! Vivo num país onde a taxa de cesariana é alarmante e entendo que precisamos mudar esse cenário. O papel da doula é levar para as gestantes informações de boa qualidade e a visão de que o parto pode ser algo vivido com muito prazer e felicidade. Em cada nascimento sinto a importância de viver o parto com cuidado e acolhimento deixando a natureza agir e a fisiologia do corpo de cada mulher acontecer naturalmente! Desmedicalizar  a gestação e o parto, trazendo confiança para o momento que pode ser transformador para cada mulher.

Aos 55 anos decidiste fazer uma produção sensual. Porquê nessa data?

Sempre gostei de comemorar o meu aniversário a cada 5 anos com algo diferente… aos 40 fiz uma festa com as amigas no salão de festa do prédio, aos 45 reuni amigas numa casa de chás, aos 50 fui com o marido, os 3 filhos e suas namoradas para uma casa de campo passar um fim de semana e com 55 decidi por um ensaio sensual! Tenho intenção de viver por muitos anos. A minha avó materna acaba de completar 105 anos, e a minha mãe fará 80 anos em 2018. Acredito que ainda tenho mais 50 anos pela frente! Resolvi celebrar a minha vitalidade e vontade de viver esse ano! Sinto-me plena e com muitos motivos para comemorar.

A partir de que idade deixamos de ser considerados novos?

Acredito que a idade está nos olhos de quem nos vê, na forma como nos enxergamos, e na forma como conduzimos as nossas vidas. Conheço algumas pessoas com 50 anos que se comportam como se tivessem 80 e vice versa! Mas de uma maneira geral a partir dos 50/60 anos. Eu por exemplo, me sinto muito bem fisicamente. Atendo de 10 a 15 partos no mês, fico noites acordada, coordeno grupos de gestantes 24 horas/7 dias na semana, por whatsapp, facebook e e-mails, com consultoria em amamentação, educação perinatal e doulagem. Além de fazer esteira todos os dias, pole dance 2 vezes na semana e massagem 3 vezes por semana.

Os cabelos brancos são a uma marca de que te orgulhas. É importante ser diferente?

Sim. Para mim sempre foi importante ser quem eu sou…nas roupas, nas ideias, na forma de ver o mundo e na forma de educar os meus filhos. Autenticidade também passava por assumir os meus cabelos brancos. E eu os assumi com 48 anos. Encontrei  resistência, principalmente de minha mãe, irmãs e algumas amigas. Diziam que ficaria com a aparência envelhecida. Os homens (filhos e marido) de minha vida não se opuseram ou me criticaram. Nada disso me deixou desanimada. Sempre gostei de cabelos grisalhos. E então, fui parando de passar Henna vermelha e fui cortando aos poucos, até cortá-los curtinhos em 2011.

Achas que as mulheres à medida que vão envelhecendo tornam-se menos atentas em relação à sua aparência?

Não sei se menos atentas, mas acho que algumas se tornam indiferentes à opinião dos outros. Elas estão felizes com o que se tornaram e por isso se gostam do jeito que são. Outras acham que não precisam mais ser atraentes ou não se sentem mais atraentes e por isso não se cuidam mais.

Como se cultiva a confiança, desejo e sexualidade depois dos 40 anos?

Fazendo o que se gosta, gostando de si mesma, se cuidando (aparência, saúde e bem estar pessoal) e amando as pessoas! Mas principalmente não deixando o brilho no olhar morrer! Eu diria que é continuar sorrindo com o olhar! Quando fazemos coisas para nós mesmas e não para os outros. Fazemos porque gostamos e não para agradar alguém!

O que ganhaste e perdeste com a chegada de uma idade mais madura?

Acho que por enquanto só ganhei… Sabedoria, liberdade de expressão, autonomia, segurança, estabilidade financeira, autoconfiança, serenidade, tranquilidade, paz de espírito e bom humor! A vida vai mudando e vamos mudando junto com a vida. Vamo-nos acostumando com as mudanças que a vida traz e vamos ficando mais leves e menos exigentes com pequenas coisas que fazíamos questão de ressaltar quando éramos mais jovens.

 Como é que no Brasil as mulheres encaram o envelhecimento? Ainda existe muito preconceito e medo?

Infelizmente, as brasileiras de classe média, de um modo geral, querem esconder a idade que têm. Fazem muitos tratamentos estéticos, plásticas e cirurgias. Ainda existe muito preconceito e medo de não serem aceitas da forma que a vida as transformou.

Nas classes menos favorecidas, elas estão lutando para sobreviver e não têm muito tempo para se preocuparem com isso. De qualquer forma, é comum tingirem os cabelos brancos.

Uma mensagem para as mulheres cabelos brancos…

Mulheres, sejam verdadeiras nas suas emoções, nos seus sentimentos e suas paixões! Cuidem da aparência para se sentirem bem consigo mesmas. Descubram o que faz seus olhos brilharem, seu coração vibrar e uma causa pela qual vale a pena lutar. Dessa forma, não importa a cor dos seus cabelos, as rugas no seu rosto, ou tónus de seu corpo. O que importa de verdade é quão apaixonada você é pela vida que ainda tem para viver!

Magazine Cabelos Brancos – Todos os direitos reservados.

Produção fotográficaEstúdio Jay

ANTERIOR

Mário Belém, o artista por nascer

PRÓXIMO

Jean-Pierre de Oliveira, o guru do agora